Campanha “Influenza Aviária? Aqui não!” alerta a população brasileira sobre a doença

h5n1

Mesmo sendo considerada exótica em território nacional brasileiro, a influenza aviária de alta patogenicidade (IAAP) é uma doença viral altamente contagiosa e mortal que afeta o comércio doméstico e silvestre com graves consequências e que chamam a atenção do mundo. 

A influenza aviária de alta patogenicidade (IAAP) igualmente pode ser transmitida às pessoas, entretanto, não é uma doença conduzida por meio do consumo dos ovos ou pela carne das aves domésticas.

Na região Sul das Américas, países que fazem fronteira com o nosso país, já relataram surtos da doença, levando o Brasil a aumentar as medidas preventivas. 

A maior temporada de migração de aves do hemisfério norte para a América do Sul ocorre entre os meses de novembro até abril. Portanto, atualmente se trabalha para fortalecer as ações de vigilância dos serviços veterinários oficiais e dos órgãos ambientais e fortalecer as medidas de biossegurança dos produtores nas fazendas, visando detectar rapidamente a possível introdução de doenças nas fazendas produtoras e impedir a entrada e a propagação da doença no país.

Mais do que realizar o trabalho com a cadeia produtiva para proteger a avicultura nacional e minimizar eventuais impactos socioeconômico de uma hipotética ocorrência da influenza aviária de alta patogenicidade (IAAP) nas aves criadas para a comercialização, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) lançou a campanha “Influenza Aviária? Aqui Não!”.

 A campanha possui o objetivo de sensibilizar a população, veterinários, criadores de aves e policiais ambientais sobre a seriedade de notificar imediatamente as suspeitas, entender comportamentos atípicos ou alta mortalidade de aves comerciais, domésticas e silvestres e aprender noções básicas de prevenção. 

Conforme a Organização Mundial de Saúde Animal (OMSA), os surtos da influenza aviária de alta patogenicidade (IAAP) continuam nesta temporada em aves domésticas e outras aves, principalmente na Europa e nas Américas. A sugestão é manter os esforços de vigilância e medidas de biossegurança nas granjas para evitar o contato direto e/ou indireto entre aves, as aves de criação e as aves silvestres, especialmente as que migram e são aquáticas.

É importante lembrar que, até esta publicação, não foram informados casos da influenza aviária de alta patogenicidade em território nacional brasileiro. Mesmo assim, é necessário que toda população preste atenção e permaneça alerta para verificar os sinais respiratórios, nervosos, alta mortalidade aviária e digestivos, até mesmo em aves na natureza. Caso seja constatado algum destes sinais, o Serviço Veterinário Oficial do município ou por meio da plataforma e-Sisbravet, endereço eletrônico: https://sistemasweb4.agricultura.gov.br/sisbravet/manterNotificacao!abrirFormInternet.action, devem ser comunicados imediatamente.

Influenza aviária de alta patogenicidade

A influenza aviária de alta patogenicidade (IAAP), ou simplesmente gripe aviária como é conhecida popularmente, é um tipo de gripe causada por uma cepa do vírus influenza A. 

Este tipo de gripe aviária é altamente contagioso entre as aves e pode causar doenças graves e morte em aves infectadas. A IAAP também pode ser transmitida de pássaros para humanos, embora isso seja raro.

Medidas efetivas, incluindo abate de aves infectadas, isolamento de áreas infectadas e controle do movimento de aves, são importantes para controlar a disseminação da influenza aviária de alta patogenicidade e prevenir sua disseminação para humanos.

*Utilizamos imagens de livre exposição e bancos contratados, mas caso alguma imagem ou texto tenha direitos autorais, entre em contato conosco que removeremos imediatamente.