Carlos César Floriano comenta exportação recorde do Agronegócio em Janeiro de 2022

As exportações do agro brasileiro atingiram US$ 8,82 bilhões, um recorde em janeiro e um aumento de 57,5% em relação aos US$ 5,60 bilhões de janeiro do ano passado. De acordo com dados divulgados pela Secretaria de Comércio e Relações Internacionais (SCRI) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), o forte crescimento dos valores exportados foi afetado pelo aumento dos preços médios de exportação, que subiram 19% em relação a janeiro de 2021 e também devido a maiores volumes de exportação, que aumentaram 32,3%. Segundo Carlos César Floriano, CEO do Grupo VMX, “Com esse expressivo crescimento, a participação do agronegócio nas exportações brasileiras saltou de 37,5% em janeiro do ano passado para 44,9% neste ano”, esclarece.

Complexo soja

O destaque das exportações de janeiro foram os complexos de soja em US$ 2,12 bilhões, 338,3% acima das exportações de janeiro de 2021, que foram de US$ 484,07 milhões (mais US$ 1,64 bilhão).

As exportações de soja foram de 2,45 milhões de toneladas (aumento de 4.853,6%), ou US$ 1,24 bilhão (acréscimo de 5.223,9%); recorde de janeiro. A crescente demanda global por oleaginosas devido à recuperação da produção e consumo global de proteína animal sugere uma menor relação estoques de soja/consumo de grãos em 2022, segundo os analistas da Secretaria de Comércio e Relações Internacionais. 

A estimativa é que a China importe por volta de 100 milhões de toneladas de soja este ano. Em janeiro este país recebeu 80,1% das exportações brasileiras de soja (1,97 milhão de toneladas). Além da China, a UE e o Vietnã também adquiriram mais de 100 mil toneladas da soja brasileira: foram adquiridas 159,8 mil toneladas e 136,7 mil toneladas, respectivamente. 

As vendas de farelo de soja aumentaram 45,6%, de 1,03 milhão de toneladas para 1,49 milhão de toneladas. As exportações de óleo de soja também tiveram um aumento significativo devido à forte demanda da Índia e ao incremento da disponibilidade doméstica.

Carnes

O segundo maior setor de exportação agrícola é a carne. Atingiu US$ 1,61 bilhão (mais 39,8%) em janeiro de 2022, alcançando o valor recorde desses meses ao longo da série histórica. Tanto os volumes exportados (acréscimo de 21,1%) quanto os preços médios de exportação (incremento de 15,5%) cresceram neste período. 

A principal exportação de carne do Brasil é a bovina, com vendas externas de US$ 801,06 milhões (mais 46,2%), a maior em janeiro. Tanto os volumes exportados quanto os preços médios de exportação aumentaram +25,7% e +16,3%, respectivamente. 

As exportações de frango também chegaram a um novo recorde, atingindo US$ 604,89 milhões (mais 42,8%). Os volumes de exportação também atingiram um recorde (aumento de 20,2%) e os preços médios de exportação foram elevados (crescimento de 18,8%). 

Já a carne suína, de maneira diferente das carnes bovina e de frango, o aumento das vendas externas foi devido à expansão das exportações, que aumentaram 18,5%, passando de 62 mil toneladas (janeiro de 2021) para 73 mil toneladas (janeiro de 2022). “O preço médio da exportação registrou uma diminuição de 7,4% da carne suína”, explica Carlos César Floriano.

Café solúvel verde

As vendas no exterior para o setor cafeeiro totalizaram US$ 719,21 milhões (aumento de 41,1%). Os volumes exportados caíram em janeiro (menos 18,5%), mas isso foi compensado por um aumento nos preços médios de exportação (acréscimo de 73,0%). O Brasil é o maior produtor mundial e o principal produto de exportação do setor é o café verde (recorde de US$ 659,01 milhões; +41,3%). Em janeiro de 2022, o preço médio de exportação atingiu US$ 3.700 por tonelada (mais 76,1%). As vendas externas de café instantâneo atingiram US$ 54,15 milhões (crescimento 37,1%).

*Utilizamos imagens de livre exposição e bancos contratados, mas caso alguma imagem ou texto tenha direitos autorais, entre em contato conosco que removeremos imediatamente.