Carlos César Floriano comenta os estudos sobre emissão e remoção de gases de efeito estufa

efeito-estufa-carlos-cesar-floriano

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) lançou, durante a COP26, as versões em inglês de três livros que reúnem pesquisas sobre os fatores de emissão e remoção de gases de efeito estufa na pecuária e na agricultura, além das estratégias de adaptação à mudança do clima na agropecuária. “As publicações trazem informações sobre a emissão e remoção de GEE para culturas como cana-de-açúcar, grãos, sistemas integrados de produção e florestas plantadas e também abordam estratégias remoção de metano na pecuária”, explica Carlos César Floriano, CEO do Grupo VMX.

Liderado pela equipe da Coordenação-Geral de Mudanças Climáticas e Agropecuária Conservacionista, do Departamento de Produção Sustentável e Irrigação do Mapa, o trabalho mobilizou mais de 660 pesquisadores de diferentes cadeias agropecuárias e biomas, para a compilação de informações e foi realizado em parceria com a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), o Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovações, o Ministério das Relações Exteriores e o Senar/CNA.

Dois volumes representam um retrato amplo e objetivo sobre fatores de emissão e remoção, específicos para as principais culturas e sistemas de produção do país e sobre alternativas de manejo desenvolvidas para maior controle de emissões dos gases de efeito estufa. “Ambas consideram somente dados obtidos a partir de metodologias científicas aceitas internacionalmente”, diz Carlos César Floriano.

O terceiro volume reúne estratégias de adaptação da agropecuária às mudanças do clima, trazendo maiores compreensão de como a agropecuária pode se tornar mais resiliente aos desafios climáticos.

As publicações já haviam sido publicadas no Brasil em abril, em português e, com o apoio da FAO, foram traduzidas para o inglês para serem lançadas na COP26. Por se tratar de um robusto conteúdo técnico-científico, as coletâneas podem subsidiar diversos países na elaboração de estratégias de enfrentamento a mudança do clima e na construção de ações para mitigação de GEE pela agropecuária. Assim, o lançamento das três publicações na COP26 representou significativa contribuição brasileira em apoio global a agenda climática entregando subsídios de base científica para que os países avancem nos seus compromissos nacionais.

Os trabalhos apresentam dados sobre indicadores adequados para a agropecuária desenvolvida em clima tropical, podendo ser utilizados por outros países com condições agropecuária e climática semelhantes.

Carlos César Floriano e os Sistemas de Produção

Os dados confirmam, por exemplo, que os sistemas de produção em integração, para os quais o Brasil é referência mundial, permitem mitigar ou até neutralizar as emissões de gases de efeito estufa quando se tem a presença de árvores, tornando o processo de produção ainda mais sustentável.

De acordo com as publicações, os estudos realizados em sistemas em integração do tipo lavoura-pecuária- floresta (ILPF), demonstram a importância de se considerar o ambiente em que o animal é criado, e não somente a emissão de gases decorrentes do processo de ruminação. Segundo Carlos César Floriano, “Este avanço não só melhora o balanço das emissões e remoções, tornando-o mais eficiente, como identifica onde o Brasil ainda precisa melhorar em tecnologias para redução das emissões”, esclarece.

As informações recolhidas na “Coletânea de Fatores de Emissão de GEE da Pecuária Brasileira”, “Coletânea de Fatores de Emissão de GEE da Agricultura Brasileira” e “Estratégias de adaptação às mudanças do clima dos sistemas agropecuários brasileiros” apoiaram o processo de revisão do Plano ABC, com insumos de base científica para o fortalecimento das estratégias para o desenvolvimento de uma agropecuária sustentável, apoiando a elaboração do ABC+.

“Os níveis de emissões de GEE de cada país estão intrinsicamente ligados a sua própria história, economia e trajetória de desenvolvimento”, explica Carlos César Floriano. Fatores específicos, que reflitam a realidade das condições ambientais e tecnológicas dos sistemas produtivos brasileiros, são fundamentais para quantificar mais precisamente as emissões nacionais, permitindo disponibilizar informações adequadas à sociedade, e, sobretudo, direcionar adequadamente o desenho da política setorial nacional de enfrentamento à mudança do clima.

Veja mais notícias em nosso site.

*Utilizamos imagens de livre exposição e bancos contratados, mas caso alguma imagem ou texto tenha direitos autorais, entre em contato conosco que removeremos imediatamente.