CEO do Grupo VMX, Carlos Cesar Floriano pontua benefícios com antecipação da vacina contra a febre aftosa no Sul

febre aftosa no sul

O Estado do Rio Grande do Sul vai começar neste dia 16 a aplicação da dosagem, antes prevista para maio; se cumprir requisitos e ações poderá  pleitear o reconhecimento de zona livre de febre aftosa sem vacinação

A antecipação da a vacinação contra a febre aftosa de maio para março no Rio Grande do Sul, anunciada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), foi analisada amplamente detalhada pelo CEO do Grupo VMX, Carlos Cesar Floriano, que pontuou sobre os benefícios de antecipação para a aplicação da dosagem no Estado gaúcho.

De acordo com Floriano o principal ganho fica pela condição de que se o Rio Grande do Sul garantir o cumprir todos os requisitos e ações previstas, poderá pleitear o reconhecimento de zona livre de febre aftosa sem vacinação. A campanha por todo o território gaúcho vai de 16 de março até 14 de abril de 2020.

“Com uma ação bem executada, o Rio Grande do Sul poderá conseguir um reconhecimento frente  perante à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), em maio de 2021. O conjunto de ações vai garantir que se alinhe ao Plano Estratégico 2017-2026 do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA),e ter esse mérito de zona livre de febre aftosa”, discorreu o CEO do Grupo VMX. Atualmente, o Rio Grande do Sul tem aproximadamente 13 milhões de bovinos, sendo que o último registro da doença foi constatado em 2001.

A expectativa é de que 12,6 milhões de animais sejam imunizados, entre bovinos e bubalinos de todas as idades no Rio Grande do Sul.

Os produtores devem comprar as doses necessárias para a vacinação do seu rebanho em casas agropecuárias credenciadas pela Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr). Após, deverão comprovar a vacinação com a apresentação da nota fiscal até o dia 22 de abril de 2020.

A partir do dia 16 de março, a movimentação de bovídeos só poderá ser realizada mediante vacinação prévia da propriedade, obedecidos os prazos de carência.

 Até o momento, no Brasil, apenas Santa Catarina e Paraná conquistaram o status sanitário de zona livre de aftosa sem vacinação.

Carlos Cesar Floriano acredita em mobilização

O CEO do Grupo VMX, Carlos Cesar Floriano, acredita que a mobilização pelos demais estados no Brasil, a partir de maio, será intensa para garantir a o máximo da aplicação da dosagem contra a febre aftosa.

A primeira etapa da campanha nacional de vacinação contra febre aftosa começa em maio em 24 estados e no Distrito Federal. A previsão é de imunização de 216,6 milhões de bovinos e 1,4 milhão de bubalinos.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento solicitou aos laboratórios a disponibilização de 218 milhões de doses de vacinas para serem utilizadas nesta etapa.

“Os produtores devem estar conscientes do seu papel e fazer a vacinação corretamente, observando todas as condições e regras para garantir maior abrangência”, pontuou Floriano.