Em 11 meses, o pagamento de créditos rurais atinge R$ 318,7 bilhões

Desembolso recorde de R$ 318,7 bilhões impulsiona o agronegócio brasileiro pelo Plano Safra. Financiamentos de custeio, investimentos, comercialização e industrialização incentivam a produção agropecuária. Programas específicos e distribuição regional equilibrada fortalecem o setor. Confira os destaques e impactos do Plano Safra para a economia nacional.

O desembolso do crédito rural no Brasil atingiu a marca de R$ 318,7 bilhões entre julho de 2022 e maio de 2023, de acordo com dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

R$ 189 bilhões foram utilizados para o custeio, enquanto R$ 84,2 bilhões para as linhas de investimentos. As operações de comercialização alcançaram R$ 30,8 bilhões, enquanto as de industrialização chegaram a R$ 14,5 bilhões.

No período de 11 meses, foram realizados 1.750.788 contratos, sendo 1.266.243 no Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e 190.240 no Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp). Os pequenos e médios produtores contrataram R$ 49 bilhões no Pronaf e R$ 45,2 bilhões no Pronamp. R$ 224,4 bilhões foram divididos 294.305 contratos dos demais produtores.

Dentre os programas de destaque no financiamento agropecuário, o Programa ABC+ registrou um desembolso de R$ 3,7 bilhões, o Programa Moderagro teve contratações de R$ 1,6 bilhão, e o Programa PCA somou R$ 2,6 bilhões.

Ao analisar a distribuição geográfica dos financiamentos, a região Sul do país se destacou, com R$ 104,5 bilhões em contratações, com Rio Grande do Sul com 44% e o Paraná, com 41% das contratações. Em segundo lugar com relação aos financiamentos ficou a região Centro-Oeste com R$ 88,3 bilhões, com destaque para os estados de Mato Grosso e Goiás.

De janeiro a maio de 2023, R$ 107 bilhões foram liberados para o crédito rural, um crescimento de 8,6% quando comparado aos cinco primeiros meses do ano de 2022.

O custeio representou R$ 61,5 bilhões, os investimentos alcançaram R$ 24,5 bilhões, a comercialização somou R$ 17 bilhões, e a industrialização registrou R$ 4 bilhões.

Para o Pronaf, foram liberados R$ 13,9 bilhões, enquanto o Pronamp recebeu R$ 11,2 bilhões, e os demais agricultores foram contemplados com R$ 81,9 bilhões.

Plano Safra

O setor agrícola desempenha um papel fundamental na economia brasileira, sendo responsável por garantir a produção de alimentos, impulsionar as exportações e gerar empregos no campo.

Para fortalecer esse setor estratégico, o governo brasileiro implementa anualmente o Plano Safra, uma política agrícola que visa oferecer suporte e incentivos aos produtores rurais.

O Plano Safra consiste em um conjunto de medidas e recursos financeiros disponibilizados pelo governo para financiar a produção agropecuária, fornecer assistência técnica, promover a modernização do campo e incentivar a adoção de práticas sustentáveis.

Por meio do Plano Safra, os produtores têm acesso a linhas de crédito com taxas de juros diferenciadas, prazos estendidos e recursos direcionados para investimentos específicos.

Um dos principais objetivos do Plano Safra é promover a segurança alimentar no país, garantindo o abastecimento interno de alimentos básicos.

O Plano Safra também tem um impacto significativo na economia brasileira. O setor agropecuário representa uma parcela substancial do PIB nacional e é um dos principais responsáveis pelo saldo positivo da balança comercial.

O investimento no campo, impulsionado pelo Plano Safra, contribui para o crescimento econômico, a geração de empregos e o desenvolvimento das regiões rurais.

*Utilizamos imagens de livre exposição e bancos contratados, mas caso alguma imagem ou texto tenha direitos autorais, entre em contato conosco que removeremos imediatamente.