IBGE estima queda de 1% na safra de grãos em 2020

A safra nacional de grãos deve somar 238,5 milhões de toneladas em 2020, segundo o primeiro prognóstico do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), divulgado pelo IBGE. Isso corresponde a uma redução de 1% em relação à colheita estimada para 2019, uma diferença de 2,3 milhões de toneladas. Apesar da queda, essa é a segunda maior estimativa da série histórica iniciada em 1975, ficando atrás somente de 2017 (240,6 milhões).

De acordo com Carlos Cesar Floriano, CEO do Grupo VMX Agro, é importante analisar essa estimativa acreditando que o mercado pode dar um sinal positivo. “Credito que o empresariado precisa continuar investindo, pois com a sinalização para redução da guerra comercial entre China e EUA, além do avanço das reformas no País, a economia pode avançar mais rapidamente”, acredita. 

A redução decorre, principalmente, da menor produção prevista para o milho (-7,5%), enquanto para a soja espera-se um crescimento de 4,7%. O primeiro prognóstico de milho estima uma produção de 92,7 milhões de toneladas no próximo ano, o que representa uma redução de 7,5 milhões de toneladas em relação a 2019. O levantamento mantém a tendência de um maior volume de produção do milho em segunda safra, com 72,4% de participação na produção nacional para 2020, contra 27,6% de participação da primeira safra de milho.

O que diz o IBGE

Para o pesquisador do IBGE, Carlos Barradas, a produção de soja deve crescer 4,7% em 2020, chegando a 118,4 milhões de toneladas. A área a ser plantada com o grão deve ser de 36 milhões de hectares, aumento de 0,7%. Dentre os maiores produtores, o Mato Grosso, estima colher 31,4 milhões de toneladas, declínio de 2,4% em relação a 2019, apesar de aumento de 0,4% na área a ser plantada. O Paraná, segundo maior produtor, espera produzir 19,8 milhões de toneladas, aumento de 22,6%, recuperando-se de um 2019 em que teve sua safra comprometida pela estiagem durante o ciclo da cultura.

Em 2019, safra deve ter novo recorde

O IBGE também divulgou hoje que a safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas deve atingir um novo recorde de 240,8 milhões de toneladas em 2019, sendo 1% maior que a de 2017, com 2,4 milhões de toneladas a mais produzidas. O resultado também representa uma alta de 6,3% em relação à produção do ano passado.

O aumento foi puxado pelo milho que deve ter uma produção recorde de 100,2 milhões em 2019 (25,9 milhões de toneladas de milho na primeira safra e 74,3 milhões de toneladas de milho na segunda safra), o que representa um aumento de 23,2% frente a 2018. “Houve uma conjuntura de preços que incentivou o plantio do milho de segunda safra. O clima também se comportou de forma favorável”, comentou Barradas.

Por outro lado, a soja e o arroz, outros dois carros-chefes da produção agrícola nacional, reduziram a colheita. A estimativa do IBGE aponta para uma produção de 113 milhões de toneladas de soja em 2019, o que o que representa uma retração de 4,1% em relação ao ano passado. Já o arroz teve queda na produção por consequência da redução de 9,5% na área plantada e de 12% na área a ser colhida. Estima-se produção de 10,3 milhões de toneladas do grão, um recuo de 12% em relação ao ano passado. “O mercado passa por uma adaptação natural, mas acredito que a retomada da confiança pode elevar o otimismo do empresariado do setor”, conclui Carlos Cesar Floriano. 

A pesquisa estima ainda que, em 2019, a área a ser colhida será de 63,1 milhões de hectares, apresentando crescimento de 3,6% frente à área colhida em 2018, aumento de 2,2 milhões de hectares. Em relação ao mês anterior, a estimativa da área a ser colhida apresentou crescimento de 71,3 mil hectares (0,1%). O recorde anterior da produção fora de 2017, quando foram produzidas 238,4 milhões de toneladas.