Ministério da Agricultura do Brasil e União Europeia debatem o avanço da economia de baixo carbono

Integrantes da Comissão Europeia se reuniram em março com representantes da Secretaria de Inovação, Desenvolvimento Sustentável, Irrigação e Cooperação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (SDI/Mapa) para conhecer iniciativas, novidades e tecnologias ​​já usadas, como, por exemplo, o “Programa ABC”, e debater eventuais sociedades.

A Comissão Europeia apresentou o programa AL-INVEST Verde financiado pela União Europeia (UE), que visa promover o crescimento econômico sustentável na América Latina e apoiar a transição para uma economia de baixo carbono. 

No caso do Brasil, foi mencionada a possibilidade de formar parcerias em três áreas em algumas cadeias que não buscam florestas, a saber: apoio a pequenas e médias empresas; apoio a projetos de assistência técnica de instituições estatais; e incentivo à agregação de valor aos pequenos e médios produtores de direitos de propriedade intelectual, principalmente por meio de orientação.

O encontro também discutiu a necessidade de aprofundar a questão da produção nacional sustentável, incluindo a possibilidade de criação de mercados de alto valor agregado para produtos originários de sistemas simultâneos de produção e conservação.

Entenda as principais iniciativas focadas na economia de baixo carbono

As iniciativas focadas na economia de baixo carbono são uma série de ações tomadas para reduzir as emissões de gases de efeito estufa e, consequentemente, mitigar as mudanças climáticas. 

Elas visam promover uma economia mais sustentável e menos dependente dos combustíveis fósseis, que são os principais emissores de gases de efeito estufa.

Uma das principais iniciativas é a adoção de fontes renováveis de energia, como a energia solar, eólica e hidrelétrica, sendo menos poluentes do que as fontes de energia tradicionais, como o petróleo e o carvão. 

Além disso, a geração de energia a partir de fontes renováveis é uma das formas mais eficazes de reduzir as emissões de gases de efeito estufa, uma vez que a produção de eletricidade é responsável por uma grande parcela das emissões globais.

A agricultura é um setor que pode contribuir significativamente para a redução das emissões de gases de efeito estufa e, consequentemente, para a economia de baixo carbono. 

Existem diversas iniciativas que visam promover práticas sustentáveis na agricultura, reduzindo o impacto ambiental e aumentando a eficiência produtiva. Algumas dessas iniciativas são:

Agricultura de precisão: trata-se do uso de tecnologias avançadas para aprimorar a gestão do solo, a aplicação de fertilizantes e defensivos agrícolas e o manejo dos cultivos. Com a utilização de sistemas de sensoriamento remoto, GPS e análise de dados, é possível identificar as áreas de maior e menor produtividade, otimizar a irrigação, reduzir o desperdício de insumos e aumentar a rentabilidade da produção.

Integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF): essa técnica consiste na integração de diferentes atividades agrícolas em uma mesma área, visando aumentar a produtividade e a eficiência dos sistemas produtivos. Na ILPF, os cultivos são combinados com a criação de animais e a plantação de árvores, de forma a promover a diversidade e o equilíbrio ecológico. Além disso, essa técnica ajuda a reduzir o desmatamento e a aumentar a cobertura vegetal nas áreas rurais.

Manejo integrado de pragas e doenças: essa abordagem consiste em combinar diferentes métodos para controlar as pragas e doenças que afetam as plantas, sem a necessidade de utilizar grandes quantidades de agrotóxicos. Esses métodos incluem o uso de predadores naturais, o plantio de cultivos resistentes, a rotação de culturas e a aplicação de defensivos agrícolas criteriosamente e em quantidades mínimas necessárias.

Agroecologia: a agroecologia é um conjunto de práticas agrícolas que busca promover a sustentabilidade e a justiça social, por meio do uso de técnicas ecológicas e da valorização dos conhecimentos tradicionais. Essa abordagem valoriza a diversidade de espécies e o equilíbrio ecológico, buscando reduzir a dependência de insumos químicos e melhorar a qualidade dos alimentos produzidos.

Essas são algumas das iniciativas que podem contribuir para a economia de baixo carbono na agricultura. É importante destacar que, para que essas práticas sejam efetivas, é necessário promover a capacitação e a conscientização dos agricultores, bem como incentivar políticas públicas que valorizem a produção sustentável e a conservação ambiental, bem como, é fundamental que os consumidores sejam conscientes da importância de escolher produtos agrícolas produzidos de forma sustentável e apoiar os agricultores que adotam práticas ambientalmente responsáveis.

*Utilizamos imagens de livre exposição e bancos contratados, mas caso alguma imagem ou texto tenha direitos autorais, entre em contato conosco que removeremos imediatamente.