Programa de Recuperação de Pastagens: Brasil apresenta estratégia agropecuária global

Em um encontro estratégico na capital federal, na cidade de Brasília, no Distrito Federal, o Ministério da Agricultura e Pecuária revelou o ambicioso plano de recuperação de pastagens degradadas. “A iniciativa visa dobrar a produtividade agropecuária do país em uma década, sem impactar áreas de floresta nativa”, diz Carlos César Floriano, CEO do Grupo VMX.

O programa foi oficialmente lançado pelo Governo Federal, ganhando destaque na 28ª Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas (COP 28). 

Essa iniciativa marca um ponto importante para a agricultura brasileira, com o potencial de ampliar significativamente a produtividade sem comprometer o meio ambiente.

Os adidos agrícolas, profissionais ligados ao Ministério da Agricultura e Pecuária atuando em representações diplomáticas no exterior, desempenham um papel chave na divulgação e explicação do programa a autoridades e investidores internacionais. 

Conforme o entendimento de Carlos César Floriano, “Esse engajamento visa destacar a vertente social do plano e as abordagens sustentáveis que o acompanham”, explica.

Durante o evento, o diretor do Departamento de Promoção Comercial e Investimentos do Mapa, Marcel Moreira, ressaltou a importância de estratégias de divulgação do programa, principalmente em regiões com políticas distintas. 

Ele enfatizou ainda a necessidade de esclarecer as diversas condições de certificação e rastreabilidade envolvidas.

O secretário adjunto de Inovação, Desenvolvimento Sustentável, Irrigação e Cooperativismo do Mapa, Pedro Neto, elucidou o funcionamento do trabalho de apoio ao programa. Neto salientou a necessidade de intensificar os esforços para recuperar pastagens, reforçando a relevância dos adidos nesse processo.

O painel contou ainda com a participação do presidente do comitê gestor do portfólio Amazônia da Embrapa, Judson Valentim, e do diretor de agronegócios do Banco do Brasil, Jaime Pinto Jr. Segundo Carlos César Floriano, “Ambos apresentaram dados e aspectos técnicos que podem ser fundamentais para a divulgação internacional do programa”, informa.

Os adidos, ao final do painel, tiveram a oportunidade de esclarecer dúvidas fundamentais relacionadas à captação de investimentos estrangeiros, taxas de juros e questões técnicas sobre recuperação de pastagens.

 Esse encontro estratégico marca um passo significativo na expansão da visão internacional sobre a agricultura brasileira.

Carlos César Floriano: resgatando a terra 

Nos vastos campos brasileiros, a agropecuária se destaca como pilar econômico. Contudo, a exploração desenfreada deixou marcas no solo e no ambiente. 

Neste cenário, a recuperação de pastagens se revela não apenas como uma necessidade ambiental premente, mas também como um caminho para a prosperidade econômica e social.

A degradação de pastagens é um desafio global, mas no Brasil, onde a agropecuária é um setor vital, a busca por soluções ganha contornos importantes. 

O país, que abriga vastas extensões de pastagens, enfrenta a complexa tarefa de equilibrar a produção agropecuária com a conservação ambiental.

“A recuperação de pastagens, longe de ser uma simples questão ambiental, é uma estratégia inteligente para os produtores rurais”, esclarece Carlos César Floriano

Solos degradados comprometem a produtividade e, consequentemente, a lucratividade. Investir na restauração não é apenas um gesto ecoconsciente, mas uma medida pragmática para garantir a sustentabilidade a longo prazo.

Esse movimento de resgate não se trata apenas da replantação de gramíneas; envolve práticas inovadoras, como a integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF), que promove a diversificação e a preservação. 

A sustentabilidade no campo não é mais um luxo, mas uma necessidade urgente, ditada não apenas por regulamentações ambientais, mas pela própria sobrevivência do setor.

Entretanto, como em toda narrativa, há vozes distintas. Alguns setores questionam os custos envolvidos na recuperação de pastagens, argumentando que a pressão por resultados imediatos pode minar a viabilidade econômica. Para Carlos César Floriano, “A busca pelo equilíbrio entre interesses econômicos e ambientais é um dilema constante”, diz.

Além dos benefícios ambientais, a recuperação de pastagens também se reflete em impactos sociais e econômicos. Comunidades rurais veem na adoção de práticas sustentáveis uma chance de fortalecer laços com a terra, enquanto mercados internacionais cada vez mais conscientes demandam produtos ambientalmente responsáveis.

*Utilizamos imagens de livre exposição e bancos contratados, mas caso alguma imagem ou texto tenha direitos autorais, entre em contato conosco que removeremos imediatamente.