Recuo de preço e custos em alta pressionam agricultura, mas pecuária mantém crescimento

imagem-agricultura

A pesquisa sobre o Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro, calculado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, em parceria com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e com a Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz (Fealq), apresentou redução de 0,8% em junho, mas manteve o resultado positivo de 0,53% no acumulado de janeiro a junho. O PIB do segmento primário do agronegócio recuou 0,55% em junho. Assim, no acumulado do semestre, houve decréscimo de 2,04%. As realidades dos ramos agrícola e pecuário são bastante distintas. Para o segmento primário agrícola, foram verificadas quedas no mês (-1,2%) e no acumulado do semestre (-7,71%), com a renda sendo pressionada por menores preços e maiores custos de produção. Já no primário da pecuária, mesmo com custos em alta, os maiores preços e produção dos produtos favoreceram o PIB, que cresceu 0,83% em junho e 10% no acumulado do semestre.

“O resultado na pecuária foi satisfatório e apresenta um horizonte de crescimento otimista para o setor”, afirma o CEO do Grupo VMX, Carlos Cesar Floriano.

No estudo, para 2019, espera-se redução de 0,51% no faturamento médio das atividades do segmento primário agrícola, considerando-se projeções de produção para o ano e preços de janeiro a junho de 2019 comparados com os do mesmo período do ano anterior. Com relação à produção, para 2019, espera-se alta de 1,49% na média ponderada das atividades acompanhadas, enquanto para preços, na comparação entre os semestres, houve recuo médio real de 1,97%. Como ressaltado nos relatórios anteriores, o PIB do segmento segue pressionado pelo aumento do custo de produção, com destaque para os elevados preços de fertilizantes e defensivos.

Já no segmento primário da pecuária, para 2019, espera-se crescimento de 13,96% no faturamento, com preços 10,48% maiores e aumento de 3,16% na produção, considerando-se a média ponderada das atividades acompanhadas. “Os indicadores são positivos e nos estimulam a continuar investindo fortemente no mercado”, acrescenta Carlos Cesar Floriano. 

Feijão 

Dentre as culturas com expectativa de aumento de faturamento, destaca-se o caso do feijão. Comparando-se o primeiro semestre de 2019 com o mesmo período de 2018, os preços mais que dobraram (subiram 105,03%), enquanto a quantidade esperada de produção para o ano caiu 2,45%. De acordo com o Instituto Brasileiro de Feijão e Pulses (Ibrafe), a menor oferta resulta da diminuição de área e das condições climáticas desfavoráveis à cultura. Segundo o Instituto, especificamente em junho, as perdas se acentuaram no Sul do País, ocasionadas pelo excesso de chuva na região, dificultando a entrada de maquinário no campo para colheita e prejudicando a qualidade do grão.

Milho

No caso do milho, o crescimento projetado no faturamento reflete a expectativa de aumento na quantidade produzida, em 23,05% para o ano, uma vez que os preços apresentaram queda de 1,87% na comparação do primeiro semestre de 2019 em relação ao mesmo período de 2018. Segundo a Conab, a produção de milho alcançou produtividade acima da média nas principais regiões, favorecida especialmente pelo adiantamento da cultura da soja, que possibilitou o aproveitamento integral da janela climática e que deve favorecer uma colheita recorde na safra 2018/19. Em relação aos preços, a equipe Grãos/Cepea indica que, apesar de a demanda externa ter auxiliado na sustentação dos valores, o avanço da colheita tem pressionado as cotações, ao gerar forte incremento na oferta interna.

Tomate 

Na cultura do tomate, se destaca o aumento nos preços em 30,42% na comparação entre janeiro a junho de 2019 e o mesmo período de 2018, enquanto para a produção a previsão para o ano é de queda, de 5,76%. Como apontado em relatório anterior, segundo a equipe Hortifrúti/Cepea, neste ano, verificam-se reduções de área plantada e de produtividade na cultura, devido a intempéries climáticas ocorridas em algumas regiões, restringindo a oferta e impulsionando os preços. Especificamente em junho, os preços aumentaram em relação ao mês anterior. De acordo com a equipe, esse avanço foi resultado da menor oferta no período, reflexo da queda na temperatura que prejudicou a maturação dos frutos.

Cana-de-açúcar 

Para a cana-de-açúcar, sutis aumentos na produção esperada para o ano (0,30%) e nos preços reais (0,69%) na comparação entre o primeiro semestre de 2019 e o mesmo período de 2018 explicam o crescimento esperado do faturamento. Destaca-se que houve melhora na expectativa para a produção do ano, já que, até o relatório anterior, esperava-se queda. Segundo a Conab, esse reajuste positivo na expectativa da produção refletiu a possível maior produtividade da cultura. De acordo com a Companhia, a colheita ainda não foi finalizada na maioria dos estados, porém, há a perspectiva de aumento na produtividade, devido ao clima favorável. Em São Paulo, principal estado produtor, espera-se produtividade 2,7% superior à da safra anterior.

Algodão  

No caso do algodão, o crescimento esperado no faturamento advém da expectativa de aumento da produção para o ano, em 34,18%, enquanto os preços apresentaram queda de 12,20% na comparação entre períodos. De acordo com a equipe Algodão/Cepea, o mercado de algodão espera a entrada da nova safra para a comercialização. Por este motivo, os produtos negociados em junho foram, principalmente, para suprir necessidades de curto prazo e foram vendidos por preços baixos. De acordo com a Conab, a área plantada na região Centro-Oeste (principal produtora da fibra) é 37,3% superior à da safra anterior. Este aumento de área, que também ocorreu em outras regiões, é fator primordial da maior produção, já que a produtividade deve permanecer praticamente estável em relação à safra anterior.

Soja 

No caso da soja, a redução projetada no faturamento se deve à queda nos preços na comparação entre períodos (-6,09%) e também à projeção de menor produção (-3,53%). De acordo com a Conab, apesar do ligeiro aumento de área destinada à cultura, a produção de soja foi pressionada para baixo pela ocorrência de adversidades climáticas que prejudicaram a produtividade. Apesar da queda dos preços na comparação entre períodos, especificamente em junho, houve aumento. Segundo a equipe Soja/Cepea, esse movimento refletiu a valorização dos contratos futuros na Bolsa de Chicago. No entanto, a valorização da taxa de cambio no mês amenizou a transferência dos ganhos ao produtor brasileiro.

Café 

Para o café, a redução esperada do faturamento reflete a projeção de queda na produção, de 17,42% para o ano, bem como a diminuição nos preços reais, em 12,99% na comparação entre o primeiro semestre de 2019 e o mesmo período de 2018. Como já mencionado em relatórios anteriores, essa safra é de bienalidade negativa na cultura do café. De acordo com a Conab, temperaturas elevadas e escassez de chuva agravaram o cenário de baixa produtividade. Quanto aos preços, apesar de terem aumentado em maio e junho, estão em patamar historicamente baixo, segundo a equipe Café/Cepea. Esse cenário reflete o excesso de oferta no mercado mundial, com a existência de estoques remanescentes da safra passada e boas perspectivas para o volume da temporada atual – a produção pode ser considerada boa para um ano de bienalidade negativa.

Pecuária em detalhes 

O crescimento esperado do faturamento da bovinocultura de corte é de 4,25%, conduzido pela variação positiva do preço entre janeiro e junho deste ano em comparação ao mesmo período do ano anterior (2,42%) e pelo aumento esperado na produção (1,79%). Especificamente em junho, o preço do boi gordo caiu em relação a maio. Tal movimento se deu pela paralisação temporária dos embarques de carne bovina à China, após constatação de um caso atípico de Encefalopatia Espongiforme Bovina (Mal da Vaca Louca) em Mato Grosso.

Novamente, manteve-se o forte aumento esperado do faturamento das produções de suínos de corte (27,48%) e frango de corte (23,76%). Em ambos os casos, a alta nos preços foi o principal motivo deste resultado. Essa elevação, por sua vez, reflete a demanda externa aquecida, principalmente por parte da China, em decorrência da Peste Suína Africana.

O faturamento esperado da venda de leite avançou 26,54%, impulsionado principalmente pelo aumento do preço, que, em comparação a janeiro a junho de 2018, cresceu 20,56%. Segundo a Equipe Leite/Cepea, essa elevação é registrada desde o início do ano, atrelada à redução da oferta do produto e à maior concorrência pela matéria-prima junto à indústria de derivados.