Taxa para importar etanol foi retomada pela Camex sem impactar o preço para o cliente final

A partir da quarta-feira, 1º de fevereiro de 2023, a taxação original sobre o etanol importado para o Brasil foi retomada, em virtude da decisão da Câmara de Comércio Exterior (Camex), de não renovar a prorrogação da isenção de imposto de importação deste produto. 

Com a nova safra de cana-de-açúcar prestes a começar e, graças às projeções de produção deste item e a capacidade para atender plenamente o mercado interno brasileiro, o país tem a oportunidade de valorizar a produção nacional de etanol e toda a cadeia produtiva.

Segundo o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Carlos Fávaro, “A desoneração anterior prejudicava a indústria nacional de etanol, que é responsável pela geração de empregos, oportunidades e energia limpa e, por estes e tantos outros motivos, precisa ser valorizada”, explica. 

Com a retomada da taxa de importação, a tarifa passou a ser de 16% até o dia 31 de dezembro de 2023, e depois passa para 18%, de acordo com a Resolução Gecex Nº 353, de 23 de maio de 2022.

A proteção do setor produtivo brasileiro, sem impacto econômico, ou seja, aumento de preços para o consumidor final, é garantida pelo secretário de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Roberto Perosa, “Que afirma que o etanol brasileiro é mais competitivo e barato na maioria das regiões do Brasil. Com a capacidade de fornecer o biocombustível para atender à demanda interna, não há risco de desabastecimento ou aumento de preço aos clientes do combustível”, afirma.

A produção brasileira de etanol está estimada em 31,14 bilhões de litros na safra dos anos de 2022 e 2023, segundo os estudos realizados e publicados pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Fabricação do etanol

A produção de etanol envolve a fermentação de açúcares, como a sacarose e a glucose, presentes em fontes como cana-de-açúcar, milho, beterraba, entre outras. O processo é conduzido por leveduras que convertem os açúcares em álcool etílico. 

O álcool etílico resultante desta fermentação é então destilado e refinado para remover eventuais impurezas e aumentar, desta maneira, a sua pureza. 

O etanol produzido pode ser utilizado como biocombustível, aditivo em gasolina, ou como ingrediente em produtos químicos e bebidas alcoólicas como, por exemplo, a famosa cachaça brasileira, reconhecida mundialmente.

A produção do etanol em solo brasileiro

A produção de etanol no Brasil é considerada uma das maiores do mundo. O país é líder mundial na produção de etanol a partir da cana-de-açúcar, com cerca de 31,14 bilhões de litros estimados na safra dos anos de 2022/23. 

Os maiores estados produtores de etanol no Brasil são: São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso e Paraná.

Além da produção que utiliza a cana-de-açúcar, o Brasil também produz etanol a partir de fontes diversas, tais como, o milho, o sorgo e a beterraba, dentre outros produtos. 

A produção de etanol no país é importante para a economia e a geração de empregos, além de ser uma fonte de energia limpa e renovável comentada e seguida por diversos países.

*Utilizamos imagens de livre exposição e bancos contratados, mas caso alguma imagem ou texto tenha direitos autorais, entre em contato conosco que removeremos imediatamente.